Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

através da escrita

nunca um momento dura apenas um encontro. Um momento fica em nós eternamente como quando se caí e se vê a cicatriz presa à pele para sempre. Um momento pode ser uma vida inteira

prefiro a paciência à resignação

21.04.21 | atravésdaescrita

camélia.jpg

Ainda sem cravos, busco nas camélias a delicadeza do aroma e a lembrança do toque suave de seda ou veludo.
Na textura de suas pétalas, a lembrança do regaço é abraço.
Começam a murchar as camélias e a Primavera encurta como a esperança. Chegam outras palavras e entre elas há uma de que não gosto: "resignação".
Prefiro a paciência com a qual tento aprender a ter calma.

a melodia das coisas

15.04.21 | atravésdaescrita

rilke.jpeg

E há também momentos em que, diante de ti, uma pessoa, calma e límpida, se destaca contra o fundo da sua magnificência. Estes são raros instantes festivos, que tu nunca esqueces. A partir daí, amas esta pessoa. Isso significa que te empenhas a copiar com as tuas mãos ternas os contornos da sua personalidade, tal como a conheceste naquela hora.

RILKE, Notas sobre a melodia das coisas, trad. de Ana Falcão Bastos, Editora Licorne

(reeditado 02.12.2020)

artistas, pintores, poetas, almas em comunhão

13.04.21 | atravésdaescrita

renoir.jpg

 Imagem: Renoir 

Chamei amigos,
pintores,
artistas,
para numa tela,
numa canção,
gravarem,
a dor ,
a solidão,
a tristeza,
a melancolia.
Trouxeram
paletas
em vazio,
lápis negro,
carvão,
esboços
fugidios,
lágrimas
em desatino,
notas soltas,
sem batidas
sincopadas,
semibreves
da vida,
escuras
melodias,
bailados
sem drama,
movimento
errático,
sem coreografias.
Chamei artistas,
pintores,
poetas malditos,
vadios,
embriagados
de arte,
calceteiros
de podridão.
Sem quadro,
sem canção
sobra em dobro
o eterno poema,
almas em comunhão.
 
[Poema sem dúvida dramático que transmite o desalento dos artistas plásticos na actual sociedade e através dos tempos. A minha escolha não foi aleatória. Para mim é indiscritivelmente, belo, sublime...um retrato fiel aos artistas, considerados marginais, loucos].

nada me prende a nada

12.04.21 | atravésdaescrita

aqueduto.jpgNada me prende a nada.
Quero cinquenta coisas ao mesmo tempo.
Anseio com uma angústia de fome de carne 
O que não sei que seja -
Definidamente pelo indefinido...
Durmo irrequieto, e vivo num sonhar irrequieto 
De quem dorme irrequieto, metade a sonhar....

Álvaro de Campos ( excerto do poema LISBON REVISITED , 1926)

Pág. 1/2